Logotipo do Museu Nacional de Arqueologia
sobre o MNA agenda faq's   informações
  english | français
peça do mês
peça do mês
   home  
   o museu
 história
 exposições
 colecções
 visita virtual
   serviços/actividades
 biblioteca
 amigos do MNA
 serviço educativo
 investigadores
 laboratório
 destaques       
 notícias     
 imprensa     
 peça do mês     
 sítio do mês     
 outros sítios     
subscrever mailing list do MNApesquisa geral: mapa do sítio       
  imagem representativa da peça do mês   peça do mês

O Museu Nacional de Arqueologia (MNA) possui um acervo de muitos milhares, na verdade centenas de milhares, de objectos. Provêm eles de intervenções arqueológicas programadas ou de achados fortuitos, mas também de aquisições, tendo sido incorporados por iniciativa do próprio Museu ou por depósito ou por doação de investigadores e colecionadores.

Todos os períodos cronológicos e culturais, e também todos os tipos de peças, desde a mais remota Pré-História até épocas recentes, neste caso com relevo para as peças etnográficas, estão representados no MNA. Às colecções portuguesas acrescentam-se as estrangeiras, igualmente de períodos e regiões muito diversificadas.

O MNA é ainda o museu português que possui no seu acervo a maior quantidade de peças classificadas como “tesouros nacionais”.

Existe, pois, sempre motivo de descoberta nas coleções do Museu Nacional de Arqueologia e é esse o sentido da evocação que fazemos, em cada mês que passa, em diálogo com o diferente tipo de actividades que o mesmo desenvolve.


 
 


fotografia: DGPC. MNA. Arquivo de Documentação Fotográfica/José Pessoa.
 
Duas bilhas do Neolítico Antigo no MNA

nº de inventário: E 501b
 
 

Sábado, dia 29 de Abril, às 15h30

O Neolítico antigo regista em todo o Próximo Oriente – e logo a seguir por todo o Mediterrâneo – um acontecimento artefactual de primeira grandeza, a descoberta e uso da cerâmica.
E, nas suas primeiras fases, a cerâmica é o suporte para uma decoração muito diversificada, impressa, incisa, pintada... Mas é também um extraordinário exercício de design e tratamento de formas, algumas delas adequadas a funções específicas.
Em Portugal, a descoberta que também tínhamos Neolítico antigo é relativamente tardia e deve-se certamente à intervenção de um dos maiores arqueólogos europeus, Jean Guilaine. O artigo que ele assina com Veiga Ferreira em 1970 é realmente o ponto de partida para uma série de escavações e análises de materiais arqueológicos sem precedentes. Historicamente, são as escavações em Sines de Carlos Tavares da Silva e Joaquina Soares que, ao serem publicadas, abrem os desertos que os trabalhos de Manuel Heleno tinham deixado nas trevas.
Já no nosso século, o estudo de materiais como os de Valada do Mato, Xarez 12, S. Pedro de Canaferrim, e vários outros lugares abriram novas perspectivas para a Península de Lisboa e para o Alentejo.
Entre as muitas formas cerâmicas identificadas, surgiu uma situação peculiar: um determinado vaso, em forma de bilha, decorada ou não, com asas verticais, que apresentava a particularidade de aparecer isolado, sem contextos directos. O Museu Nacional de Arqueologia tem, pelo menos, dois vasos que entram nessa situação, um proveniente de Santarém e outro da Herdade do Monte da Vinha, Santiago do Cacém.
Ao estudar-se agora o grande vaso da mesma tipologia proveniente da Retorta (Loulé) fez-se uma revisão de esta realidade, registada desde Casével até ao Extremo Sul.

Victor S. Gonçalves



ver colecções

 
 


 
este sítio foi preparado para ser acessível aos utilizadores com necessidades especiais
DSímbolo de Acessibilidade na Web      
pesquisa geral: mapa do sítio       
Logotipo da direção Geral do Património Cultural
  última actualização: 26/04/2017
próxima actualização: 30/05/2017
 


geral@mnarqueologia.dgpc.pt |